Bem-vindo ao Conhecimentos Gerais, um site dedicado a oferecer informações e conhecimentos sobre uma variedade de matérias, incluindo português, matemática, ciências, geografia e muito mais.

Orações Subordinadas: O Que São E Classificações!

A língua portuguesa é rica em recursos que permitem a expressão de ideias complexas e sofisticadas. Uma dessas ferramentas são as orações subordinadas, estruturas sintáticas que desempenham um papel fundamental na organização das frases. 

Neste artigo, exploraremos em detalhes o conceito, suas classificações e suas diferentes funções na construção de sentenças. Prepare-se para uma jornada pela complexidade e pela beleza da sintaxe!

O que são Orações Subordinadas?

Imagem com O que são Orações Subordinadas?
portuguesesimples.com.br

São estruturas gramaticais que dependem de uma oração principal para se completarem. 

Elas atuam como elementos secundários na frase, acrescentando informações que complementam, modificam ou especificam o sentido da oração principal. 

Dessa forma, as orações subordinadas estabelecem relações de dependência sintática com a oração principal, contribuindo para a coerência e a coesão textual.

Classificações

Existem diferentes tipos de orações subordinadas, cada uma com características particulares. Vamos explorar algumas das principais classificações:

Orações Subordinadas Substantivas

São estruturas que desempenham a função de um substantivo na frase. 

Elas podem atuar como complemento direto ou indireto de verbos, como sujeito da oração, como objeto de preposição, entre outras funções. São classificadas em objetivas diretas, objetivas indiretas, subjetivas e completivas nominais.

Orações Subordinadas Substantivas Objetivas Diretas

Elas funcionam como complemento direto de um verbo na oração principal. Elas respondem às perguntas “o quê?” ou “quem?”. Por exemplo:

  • “Eu acredito que ele é honesto.” (Oração subordinada substantiva objetiva direta complementando o verbo “acredito”)
  • “Ela viu que ele estava chorando.” (Oração subordinada substantiva objetiva direta complementando o verbo “viu”)

Orações Subordinadas Substantivas Objetivas Indiretas

Funcionam como complemento indireto de um verbo na oração principal. Elas respondem às perguntas “a quê?” ou “a quem?”. Por exemplo:

  • “Tenho certeza de que ele chegará cedo.” (Oração subordinada substantiva objetiva indireta complementando o verbo “tenho certeza de”)
  • “Ela se arrependeu de quebrar a promessa.” (Oração subordinada substantiva objetiva indireta complementando o verbo “arrependeu-se de”)

Orações Subordinadas Substantivas Subjetivas

Exercem a função de sujeito da oração principal. Elas respondem à pergunta “o quê?”. Por exemplo:

  • “É importante que você estude para a prova.” (Oração subordinada substantiva subjetiva sendo o sujeito do verbo “é”)
  • “Aconteceu algo estranho.” (Oração subordinada substantiva subjetiva sendo o sujeito do verbo “aconteceu”)

Orações Subordinadas Substantivas Completivas Nominais

Funcionam como objeto de um verbo ou de uma preposição na oração principal. Elas complementam o sentido de um substantivo, adjetivo ou advérbio. Por exemplo:

  • “Tenho a certeza de que ele chegará a tempo.” (Oração subordinada substantiva completiva nominal complementando o substantivo “certeza”)
  • “Ele está ansioso para que tudo dê certo.” (Oração subordinada substantiva completiva nominal complementando a preposição “para”)
Veja também:  Provérbios e Ditados: Desvendando a Sabedoria Popular

As orações subordinadas substantivas podem desempenhar diferentes funções na construção das frases, e sua correta utilização é essencial para garantir a clareza e a coerência do discurso. 

É importante compreender a classificação e as características de cada tipo de oração subordinada substantiva para utilizá-las de forma adequada e enriquecer a expressão escrita e oral.

Orações Subordinadas Adjetivas

São estruturas sintáticas que desempenham a função de um adjetivo na frase. 

Elas fornecem informações adicionais e descritivas sobre um substantivo ou pronome na oração principal, acrescentando detalhes e especificando características. 

Essas orações são classificadas em restritivas e explicativas.

Orações Subordinadas Adjetivas Restritivas

Elas têm a função de restringir ou delimitar o sentido do substantivo a que se referem. Elas são essenciais para a compreensão completa do sentido da oração principal. Geralmente, não são separadas por vírgulas. Por exemplo:

  • “O livro que comprei é interessante.” (A oração subordinada adjetiva restritiva “que comprei” restringe o substantivo “livro”, indicando que se trata especificamente do livro comprado pelo falante)
  • “Os alunos que estudam têm melhores resultados.” (A oração subordinada adjetiva restritiva “que estudam” restringe o substantivo “alunos”, especificando que se refere apenas aos alunos que estudam)

Orações Subordinadas Adjetivas Explicativas

Possuem a função de explicar ou adicionar informações extras sobre o substantivo a que se referem. Elas são opcionais para a compreensão da oração principal e são geralmente separadas por vírgulas. Por exemplo:

  • “O livro, que comprei recentemente, é interessante.” (A oração subordinada adjetiva explicativa “que comprei recentemente” adiciona uma informação extra sobre o substantivo “livro”, mas não é essencial para a compreensão do sentido principal da frase)
  • “O aluno, que estuda diligentemente, obteve a melhor nota.” (A oração subordinada adjetiva explicativa “que estuda diligentemente” fornece uma informação adicional sobre o substantivo “aluno”, mas não altera o sentido principal da frase)

As orações subordinadas adjetivas desempenham um papel importante na descrição e especificação de substantivos na frase. 

Elas permitem adicionar detalhes, qualificar e delimitar o sentido dos substantivos, enriquecendo a expressão escrita e oral. 

É fundamental compreender a diferença entre as orações adjetivas restritivas e explicativas, bem como dominar a pontuação adequada para diferenciá-las corretamente.

Orações Subordinadas Adverbiais

Desempenham a função de um advérbio na frase, expressando diversas circunstâncias em relação à oração principal. 

Elas podem ser classificadas em nove tipos principais, conforme a circunstância que expressam. A seguir, veremos cada um desses tipos:

Orações Subordinadas Adverbiais Causais

Expressam a causa ou a razão pela qual a ação da oração principal ocorre. Elas fornecem informações sobre por que algo aconteceu. Alguns conectivos usados para introduzir esse tipo de oração são “porque”, “como”, “pois” e “já que”. Exemplos:

  • “Ele saiu mais cedo porque estava cansado.”
  • “Como choveu bastante, não pude ir ao parque.”

Orações Subordinadas Adverbiais Comparativas

Estabelecem uma comparação entre a ação expressa na oração principal e a ação na oração subordinada. Elas indicam semelhanças ou diferenças entre as ações. Conectivos como “como”, “que” e “do que” são usados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Ele corre mais rápido do que eu.”
  • “Ela é tão inteligente quanto ele.”
Veja também:  A Gramática: O que é, Classes de Palavras, Estrutura e Mais!

Orações Subordinadas Adverbiais Concessivas

Expressam uma ideia de concessão, indicando uma circunstância contrária ao que é esperado na oração principal. Elas introduzem uma condição ou um obstáculo que não impede a ação principal de ocorrer.

Conectivos como “embora”, “apesar de”, “mesmo que” e “por mais que” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Embora estivesse chovendo, saímos para passear.”
  • “Por mais que estivesse cansada, ela continuou trabalhando.”

Orações Subordinadas Adverbiais Condicionais

Estabelecem uma condição para a realização da ação expressa na oração principal. Elas introduzem uma circunstância hipotética que precisa ser cumprida para a ação principal ocorrer. Conectivos como “se”, “caso”, “desde que” e “contanto que” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Se estudar bastante, terá sucesso nas provas.”
  • “Contanto que chegue a tempo, poderá participar da reunião.”

Orações Subordinadas Adverbiais Conformativas

As orações subordinadas adverbiais conformativas expressam uma circunstância de conformidade, indicando que a ação da oração principal está em conformidade com a ação da oração subordinada.

Elas fornecem informações sobre a maneira como a ação principal é realizada. Conectivos como “conforme”, “como” e “segundo” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Conforme você pediu, vou fazer o relatório.”
  • “Como combinamos, encontramo-nos no shopping.”

Orações Subordinadas Adverbiais Consecutivas

Indicam uma consequência direta ou um resultado da ação expressa na oração principal. Elas fornecem informações sobre o efeito ou a consequência da ação. O conectivo “que” é comumente utilizado para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Ele estudou tanto que passou no exame.”
  • “A música era tão envolvente que todos começaram a dançar.”

Orações Subordinadas Adverbiais Finais

Expressam a finalidade ou o objetivo da ação da oração principal. Elas fornecem informações sobre o propósito ou a intenção da ação. Conectivos como “para que”, “a fim de que” e “para” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Estudamos para que possamos obter boas notas.”
  • “Eles trabalham duro a fim de alcançar o sucesso.”

Orações Subordinadas Adverbiais Temporais

Indicam o tempo em que a ação da oração principal ocorre. Elas fornecem informações sobre quando a ação acontece. Conectivos como “quando”, “enquanto”, “logo que” e “assim que” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Quando ela chegou, todos aplaudiram.”
  • “Enquanto você estuda, eu irei ao supermercado.”

Orações Subordinadas Adverbiais Proporcionais

Expressam uma relação de proporção ou correspondência entre a ação da oração principal e a ação da oração subordinada. Elas fornecem informações sobre como uma ação varia de acordo com outra.

Conectivos como “à medida que”, “quanto mais”, “quanto menos” e “à proporção que” são utilizados para introduzir esse tipo de oração. Exemplos:

  • “Quanto mais estuda, mais aprende.”
  • “À medida que o tempo passa, mais experiência ele adquire.”

Dominar os diferentes tipos de orações subordinadas adverbiais permite expressar com precisão diferentes circunstâncias e relações na escrita. 

Essas construções enriquecem o texto, proporcionando detalhes sobre causa, comparação, concessão, condição, conformidade, consequência, finalidade, tempo e proporção.

Em suma, as orações subordinadas desempenham um papel fundamental na estruturação da linguagem, permitindo que os falantes expressem ideias complexas, estabeleçam relações de dependência e enriqueçam a comunicação.

Dominar o uso adequado das orações subordinadas é um passo importante para aprimorar a habilidade linguística e desenvolver um discurso mais sofisticado e coerente.

você pode gostar também

Escreva um comentário